Vigilância em Saúde faz ação preventiva contra o mosquito Aedes aegypit

27

A Vigilância em Saúde de Rio Bonito promoveu na quarta-feira (30), uma ação em conjunto com os agentes de endemias contra o mosquito aedes aegypit, além de uma campanha de combate as doenças causadas por insetos (arboviroses), como dengue, zika e chikungunha, além de roedores.

Durante a ação, foram distribuídas Cartilhas e folders com informações de como evitar essas doenças, além dos procedimentos que devem ser tomados em caso de enchentes para evitar a leptospirose, doença causada pelo contato da urina de rato. Os agentes de endemias também distribuíram um guia para eliminar os criadouros do mosquito em casa e fizeram tratamento nos bueiros para combater a proliferação de roedores. Para solicitar a visita de um agente de endemias, ligue para o Disque Dengue e Roedores-(21) 3634-4234.

Segundo a Coordenadora de Vigilância em Saúde, Indiára da Silva Teixeira, nessa etapa da campanha a prioridade foi o Centro da cidade e o bairro da Caixa Dágua. Mas durante os meses de setembro e outubro, as ações irão se estender para todos os bairros da cidade.

Atenção – O Programa Municipal de Combate a Dengue esclarece que não distribui raticida à população. A ação do agente contra roedores é realizada nas vias públicas e não no interior das residências. O uso indevido de raticidas pode colocar a vida dos moradores em risco.

Para prevenir a proliferação de roedores, pode-se adotar um conjunto de medidas denominadas de “antirratização”. São elas:

• Não jogar lixo a céu aberto ou em terrenos baldios;
• Colocar o lixo em sacos plásticos, em latas com tampas apropriadamente fechadas e limpas periodicamente, de preferência sobre estrados ou um suporte para não ficar em contato direto com o chão;
• Dispor o lixo na rua somente uma hora antes da passagem do caminhão de lixo;
• Acondicionar alimentos sempre em recipientes bem fechados;
• Inspecionar periódica e cuidadosamente caixas de papelão, caixotes, a parte posterior de armários, gavetas e todo tipo de material que adentre ao ambiente e possa servir de transporte ou abrigo de camundongos;
• Vedar frestas ou vãos que possam servir de porta de entrada para os ratos;
• Instalar telas com menos de 1 cm de vão de diâmetro, grelhas, ralos do tipo “abre-fecha”, sacos de areia ou outros artifícios que impeçam a entrada desses animais através de ralos, encanamentos ou outros orifícios;
• Não acumular entulho ou materiais inservíveis nas residências, quintais e terrenos baldios;
• Manter limpos e murados os terrenos baldios;
• Manter limpas as instalações de animais domésticos;
• Não deixar água e restos de alimentos de cães e gatos durante a noite nos quintais e residências.

Texto: Denilson Santos

Foto: Galileu