Professores participam de oficina sobre Comunicação Alternativa

239

A secretaria de Educação realizou na segunda-feira (8), mais uma formação continuada para professores que atuam na educação inclusiva.  Desta vez o evento foi realizado no Colégio Estadual Desembargador José Augusto Coelho Rocha Júnior, na Bela Vista, com a participação de cerca de 100 profissionais de ensino, que atuam com alunos com deficiência na Sala de Recursos, no Centro de Atendimento Educacional Especializado (CAEE), no Centro de Educação Especial José Reis e auxiliares de educação inclusiva.  Nessa formação, realizada em dois turnos (manhã e tarde), o tema foi a Tecnologia Assistiva e Comunicação Alternativa, ministrado pela mestra em diversidade e inclusão da Universidade Federal Fluminense (UFF) e Doutoranda pela Fiocruz, Almi Tanikawa de Oliveira.

“Nós apostamos na formação desses profissionais para que eles utilizarem essa tecnologia com seus alunos, oferecendo ferramentas adequadas para cada um deles com deficiência. Estamos investindo nessas aulas práticas para que os professores possam multiplicar esse conhecimento, esse saber nas instituições onde trabalham. Essa é a nossa contribuição social”, afirmou Almi Tanikawa.

A Coordenação de Educação Inclusiva da secretaria de Educação, Garrolice Alvarenga, explicou que essa tecnologia assistiva consiste em vários recursos, estratégias e metodologias e serviços que assistem a pessoa com deficiência. O objetivo do evento foi de informar os professores sobre questões conceituais das deficiências e sobre a inserção dessas pessoas no cenário escolar na perspectiva da Educação Inclusiva; as dificuldades enfrentadas no dia a dia escolar e contribuições fundamentadas numa política pública de inclusão que dão suporte e asseguram a integração qualitativa e funcional dos alunos com deficiência, além de apresentar recursos pedagógicos que contribuem para a inclusão efetiva dos alunos com deficiência, possibilitando-lhes desenvolverem-se cognitivamente e com relativa autonomia.

“A coordenação de Educação Inclusiva prioriza a formação dos profissionais da Educação, na perspectiva Inclusiva na sala de aula. Para isso, precisamos conhecer recursos, técnicas e métodos para alcançar uma  aprendizagem  significativa. Gostaríamos muito de proporcionar essas formações para a rede municipal no todo. Infelizmente esse ano iniciamos um ano letivo com muito atraso e não disponibilizaremos do tempo necessário para essa prática. No entanto,  todos profissionais que estão participando dessa série estão com competência para repassar e aplicar nas suas unidades escolares o conhecimento adquirido. A formação de hoje é direcionada a Comunicação Alternativa e ampliada para alunos com paralisia cerebral, autistas e outros que não possuem a comunicação verbal ou escrita”, afirma. Garrolici Alvarenga.

Texto: Denilson Santos

Fotos: Galileu